Ceratocone é uma doença caracterizada pela distrofia contínua e progressiva que afeta a estrutura da córnea – camada fina e transparente que recobre toda a frente do globo ocular – provocando afinamento central ou paracentral, geralmente inferior. O resultado é uma espécie de alargamento anterior da córnea, fazendo com que seu formato se torne semelhante ao de um cone, por isso seu nome. Ela pode ocorrer em um olho ou em ambos e, de acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), a cada
100.000 pessoas no mundo, de 4 a 600 delas desenvolvem o ceratocone.
O histórico familiar está presente de 6 a 8% dos casos, o que sugere que a doença tem origem genética. Seu aparecimento mais comum ocorre na puberdade, geralmente entre os 13 e 18 anos de idade, progride por
aproximadamente seis a oito anos e, depois, tende a permanecer estável.
Segundo Dr. Renato Ambrósio Jr., especialista em Córnea e Cirurgia Refrativa, por ser uma doença progressiva, com a evolução, a correção do grau se torna mais difícil, em função do chamado astigmatismo irregular que está relacionado à hipermetropia.
Além da característica genética, existem comportamentos que podem agravar a doença, como por exemplo, o ato de coçar os olhos e dormir fazendo pressão sobre eles. As características da córnea, como curvatura e espessura, estão relacionadas com a genética e isso vai determinar a resistência do tecido, tornando-os mais maleáveis. Mas, é importante entender que, não necessariamente, a genética é o único fator. De acordo com Dr. Renato Ambrósio Jr., é possível que uma pessoa possuidora de genética que indique uma eventual predisposição ou susceptibilidade para ectasia nunca desenvolva a doença, apresentando em exame complementar a forma atenuada da síndrome. O especialista também
explicou que, por outro lado, um paciente que tem uma córnea relativamente normal de nascença pode desenvolver a doença se coçar muito os olhos. “Baseado no Painel Global de 2018, é consenso dizer que o ceratocone é agravado pelo ato de coçar os olhos. Poucas coisas têm 100% de consenso e essa é uma delas”, declarou.
Além de agravar o ceratocone, coçar os olhos e fazer pressão sobre eles durante o sono também podem causar uma ectasia. “Em sua fase inicial, o ceratocone não apresenta sintomas, sendo identificado apenas através de exames complementares. A mudança do grau pode ser o primeiro fator a indicar uma suspeita, mas principalmente quando o paciente tem astigmatismo ou alguma dificuldade visual. As queixas de piora e perda da visão acontecem apenas em fases mais avançadas”, explicou Dr. Renato Ambrósio Jr.
O oftalmologista ainda advertiu que o ceratocone tem grande relação com alergia ocular. Portanto, a vontade de coçar os olhos é resultado dela. Além da coceira, o paciente também pode apresentar uma sensibilidade maior à luz e irritação nos olhos. Segundo ele, é importante entender que o tratamento da alergia ocular faz parte do tratamento de ceratocone. Não basta apenas que o médico diga para o paciente não coçar os olhos, é preciso que o paciente receba um tratamento para que essa coceira pare.
Tratamento
Em relação ao tratamento da doença, é necessário que o paciente entenda que os óculos são a primeira opção. As lentes de contato são indicadas apenas quando os óculos não estão proporcionando uma boa visão, pois, apesar de oferecerem uma qualidade melhor, elas podem representar um fator de risco para a progressão do ceratocone. Até o final dos anos 90, o transplante de córnea penetrante era a única forma de tratamento cirúrgico. Hoje, existem vários procedimentos diferentes, indicados de acordo com cada caso. “Temos o crosslinking para interromper a progressão da doença; o anel, para regularizar a córnea;
e o laser, para fazer uma regularização da córnea junto com o crosslinking. Além disso, é possível combinar essas cirurgias de várias formas. Pode-se, inclusive, implantar uma lente dentro do olho para tratar o grau de miopia e astigmatismo”, enfatizou o oftalmologista.
No caso específico de ceratocone, Dr. Renato Ambrósio Jr. afirmou que o transplante de córnea é o método mais indicado. Porém, é importante lembrar que a cirurgia não garante 100% de eficácia, uma vez que existe o risco de rejeição ou de falência tardia (a córnea envelhecer muito rápido e o transplante precisar ser feito de novo). Ainda de acordo com ele, o ceratocone raramente leva à cegueira, mas pode causar baixa visão reversível. A chance de reabilitação visual é alta, principalmente quando o tratamento é feito na fase inicial.
Apesar das diversas campanhas e compartilhamentos de informações por parte das Sociedades de Oftal-
mologia e o CBO, muitos ainda desconhecem os perigos oferecidos pelo ceratocone e o hábito de coçar
os olhos que, como dito anteriormente, pode piorar o quadro. “Conscientes da importância de falar sobre o assunto, começamos uma campanha: o Violet June (Junho Violeta, em tradução livre). O objetivo é alertar sobre o ceratocone, tendo como lema que a desinformação pode fazer o paciente sofrer mais do
que a própria doença”, frisou.
O médico finalizou falando sobre a importância de entender o trabalho do Violet June, de trazer consciência e informação sobre o ceratocone e melhorar a qualidade de vida das pessoas. “O entendimento sobre a doença é o primeiro remédio que deve ser oferecido ao paciente”, ressaltou.
Fonte: Revista Veja Bem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat